Sexta-feira, 18 de Abril de 2014

Veja aqui as reacções à morte de Gabriel García Márquez

Jornal i
publicado em 18 Abr 2014

 

 

 

O Prémio Nobel da Literatura colombiano, Gabriel García Márquez morreu, na Cidade do México, onde vivia exilado.

“O que você viveu ninguém rouba. A vida não é o que se viveu, mas o que cada um recorda e como a recorda para a contar”. A frase aplica-se como uma luva ao seu autor: Gabriel García Márquez, o escritor colombiano morreu, esta quinta-feira, aos 87 anos, na Cidade do México.

 

Não morreu como o seu herói quixotesco, coronel Aureliano Buendía, que como descrito em “Cem Anos de Solidão” morreu no mais absoluto isolamento, na velhice que nada mais era do “que um pacto honrado com a solidão. Morrer só.” A morte solitária desde sempre assombrou o escritor e perpassou a sua vida e obra. “Não existe pior desgraça do que morrer sozinho.” O Nobel colombiano fintou a velha senhora da ceifeira e morreu tranquilamente em casa rodeado pela família.

 

“A minha família é mais importante do que os meus livros”, sublinhou Gabo, numa dada ocasião.

 

Gabriel García Márquez foi escritor de contos, novelista, jornalista e activista político. Nasceu no município colombiano de Aracataca, a 6 de Marco de 1927, criado pelos avós maternos. Completou os primeiros estudos em Barranquilla e Bogotá. Chegou a iniciar o curso de direito, mas enveredou para o jornalismo. 

 

García Márquez “abriu um mundo novo à literatura”, diz investigador

Gabriel García Márquez, hoje falecido aos 87 anos, “abriu um mundo novo à literatura”, disse o investigador  António Almeida , referindo-se à denominada corrente literária do “realismo mágico”.

 

García Márquez. Agualusa recorda "alguém que tinha muito de africano"

O escritor  José Eduardo Agualusa  apontou hoje Gabriel García Márquez como "uma referência muito importante" para os escritores da sua geração e "alguém que tinha muito de africano".

 

García Márquez. PR do Equador diz que o mundo vai ter "anos de solidão"

O Presidente do Equador,  Rafael Correa , enviou as condolências pela morte de Gabriel García Márquez, considerando que o mundo vai ter “anos de solidão” com o desaparecimento do escritor colombiano.

 

García Márquez. "Morreu um dos maiores escritores dos nossos tempos", diz presidente do México

O Presidente mexicano,  Enrique Peña Nieto , expressou hoje o seu pesar pela morte do escritor colombiano Gabriel García Márquez, na cidade do México, aos 87 anos.

 

Para ler mais clique aqui.

 

publicado por essmo-becre às 22:03
link do post | comentar | favorito

.Citação do dia

.Catálogo On-Line

Bibliotecas do Agrupamento

.Sugestões

Quando referimos o património cultural, há a tentação de pensar que falamos de antigualhas, de coisas do passado, irremediavelmente perdidas. Puro engano! Referimo-nos à memória viva, seja referida a monumentos, sítios, tradições, seja constituída por acervos de museus, bibliotecas e arquivos. Tratamos de conhecimentos ou de expressões da criatividade humana... Ter memória é, assim, respeitarmo-nos. Cuidar do que recebemos é dar atenção, é não deixar ao abandono. Daí a presente obra procure aliar a ideia de peregrinação, no sentido da demanda de outros lugares e de outras gentes, através da sua história, como se já fizera em "Na Senda de Fernão Mendes", à memória da cultura e da língua portuguesa, como língua de várias culturas e cultura de várias línguas. Neste Ano Europeu do Património Cultural trata-se de um apelo a que a cultura seja compromisso, cuidado, atenção e conhecimento. Fonte:"https://www.fnac.pt/"

.pesquisar

 

.Maio 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.Rádio miúdos

https://www.radiomiudos.pt/

.links

.Música

.posts recentes

. Reforma de 2018 das regra...

. Prémio Escolar AEPC 2018

. Dia da Europa 2018

. Acordo ortográfico 1990

. Bibliotecando, no fim de ...

. Concurso Nacional de Leit...

. VOTEM E PARILHEM: Autores...

.subscrever feeds

.Visitantes

.Professor bibliotecário: ode

.tags

. todas as tags