Quarta-feira, 12 de Dezembro de 2018

Quer viver mais anos? Leia livros!

10-12-2018

 

Quem diria que meia hora de leitura diária significa mais anos de vida. É a conclusão de um estudo realizado por investigadores do Laboratório de Epidemiologia e Saúde Pública da Universidade de Yale, nos Estados Unidos da América.
 
Depois de se reunirem dados sobre os hábitos de leitura de mais de 3500 pessoas acima dos 50 anos, constatou-se que nos 12 anos seguintes a taxa de mortalidade dos leitores assíduos foi 20% inferior à de quem não era tão dedicado aos livros. E a esperança média de vida dos primeiros revelou-se 23 meses superior à dos segundos.

«As pessoas que reportaram uns meros 30 minutos de leitura diários de um livro tiveram uma significativa vantagem de longevidade em relação aos que não liam», sublinha Becca R. Levy, professora de epidemiologia em Yale, em declarações ao The New York Times.

Publicado no jornal Social Science and Medicine, em 2016, o estudo levou em conta fatores como a idade, género, raça, educação, condição económica ou doenças para sugerir que «os benefícios de ler livros incluem uma vida mais longa para os poder ler».

Leia aqui a notícia completa que, embora tenha sido publicada em 2016, se mantém atual para quem quer viver mais anos.
 
 
Fonte: https://www.santillana.pt/
publicado por essmo-becre às 11:21
link do post | comentar | favorito

.Citação do dia

.Catálogo On-Line

Bibliotecas do Agrupamento

.Tutorial - consulta do catálogo

Como consultar o catálogo

.Sugestões

No 70º aniversário da Declaração Universal dos Direitos Humanos (1948-2018), Portugal deve adotar uma Agenda Nacional de Direitos Humanos para o novo século. «Os primeiros anos do século XXI mostram que os direitos humanos não são nada de garantido e definitivo. Por todo o lado assistimos a retrocessos. Vemo-lo, por exemplo, nos Estados Unidos e em França, onde muitos dos grandes e inegáveis progressos das últimas décadas estão agora em risco. Em numerosos países, os direitos humanos são há muito comprimidos ou sacrificados em nome de outros valores tomados por superiores; noutros casos, são abusivamente instrumentalizados por agentes não estatais, como as grandes empresas digitais. Com base na minha formação académica e na minha experiência profissional, quer como jornalista quer como diretora executiva da Amnistia Internacional em Portugal de 2012 a 2016, acompanhei de perto alguns destes temas e tive oportunidade de intervir em alguns casos que aqui relato. Neste livro, proponho uma reflexão séria e atual sobre algumas destas questões.» Fonte:"https://www.fnac.pt/"

.pesquisar

 

.links

.Rádio miúdos

https://www.radiomiudos.pt/

.Música

.posts recentes

. Gostava de ler um livro e...

. Quer viver mais anos? Lei...

. Acordo Fotográfico

. Declaração Universal dos ...

. 70 anos da Declaração Uni...

. 70 anos da Declaração Uni...

. O bem que faz ler um livr...

.subscrever feeds

.Visitantes

.Professor bibliotecário: ode

.Dezembro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.tags

. todas as tags