Domingo, 11 de Janeiro de 2015

O que é cultura geral?

Perguntámos[ram] a seis pessoas, de diferentes gerações e áreas do saber, num momento em que as noções de conhecimento e memória foram subvertidas, instaladas em novas prateleiras, disponibilizadas em novos (e sempre novos) suportes. Não procurámos pessoas especialmente cultas, ainda que algumas o sejam. Procurámos o entendimento que têm de cultura e o modo como ela se intromete e contamina a vida de todos os dias. Pedimos também que elaborassem uma lista de obras seminais (era quase obrigatório excluir a Bíblia e O Capital...), de peças e encontros em que se fizeram.

[...]

 

- Ana Luísa Amaral

Poeta, professora universitária, 1956

- Carlos Mendes de Sousa

Professor universitário, ensaísta, 1960

- Inês Monteiro Rocha

Estudante de Geografia, 1994

- Maria Emília Brederode Santos

Pedagoga, 1942

- Teresa Guimarães

Médica oncologista, 1970

Tomás Cunha Ferreira

Pintor e músico, 1974

cultura geral.jpg

 Fragmentos do artigo:

 

"O que é que pode lançar mundos no mundo? A arte, o pensamento, a palavra — e talvez, no exercício dela e na paixão por ela, a palavra da poesia, porque é a menos sujeita às leis do mercado, a mais livre. A palavra faz sentir e faz pensar. Por esta razão, por exemplo, para o estado de ditadura social em que nos movemos, a incultura e a falta de pensamento são úteis: porque uma pessoa que pensa é uma pessoa que questiona, que exige, que resiste."

Ana Luísa Amaral

"o poder que o livro tem de lançar mundos no mundo. Que mundos não estão contidos em Homero e Shakespeare, em Dostoievski e Proust, em Pessoa e Guimarães Rosa, ou num verso de Camilo Pessanha!"

Carlos Mendes de Sousa

"Porquê O Principezinho? Porque tem amizade, coragem, sonho, campos de trigo, florestas, estrelas, ovelhas e flores. Tudo o que precisamos em qualquer idade e em qualquer local. O Principezinho ajuda-me a perceber o meu lugar no mundo. Acho que ser culto é isso. É ter consciência de como chegámos até aqui e, sobretudo, de como podemos sair daqui. A minha mãe, que detesta citações, atirou-me com uma: “Ser culto es el único modo de ser libre” (Jose Marti).

Cultura é saber que a Lua controla as marés, que o som do violoncelo é o mais próximo da voz humana, que no Butão há um índice de felicidade. É não ter preconceitos sobre a importância das coisas e estar disponível para pôr em causa amanhã tudo o que hoje damos como certo."

Inês Monteiro Rocha

"cultura é pensar. Pensar pela própria cabeça, sabendo o que outros, noutros tempos e noutros lugares, pensaram sobre um assunto. É um saber digerido, assimilado, relacionado, apropriado, recriado. Cultura é a arma para combater o lugar-comum, a banalidade, o preconceito e a indiferença. Distingue-se de erudição pelas dimensões da criatividade e do fazer."

Maria Emília Brederode Santos

"inscrição no Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar: “Um médico que só sabe Medicina nem Medicina sabe.” Ficou a ecoar em mim até hoje, passados 20 anos."

"frase de Jorge Luís Borges: “Somos as pessoas que conhecemos, os lugares que visitamos, os livros que lemos.”

Teresa Guimarães

"Gosto muito da expressão “prestar atenção”. Supõe que a atenção é algo que se dá, que se presta ao outro e ao mundo. A utopia da cultura é ser dádiva, é um dar-se ao mundo. Por isso a “cultura geral” não pode ser a acumulação intelectual disto e daquilo, e sim uma entrega. Pode ser uma entrega total a uma pequena parte do mundo. Isso basta."

 

Tomás Cunha Ferreira

 

http://www.publico.pt/culturaipsilon/

Leia mais, aqui

 

 

 

publicado por essmo-becre às 17:26
link do post | comentar | favorito

.Citação do dia

.Catálogo On-Line

Bibliotecas do Agrupamento

.Tutorial - consulta do catálogo

>

.Sugestões

«Uma das obras mais notáveis de Agustina Bessa-Luís, O Susto é um roman à clef, um romance cujas personagens são modeladas em pessoas reais. O protagonista, José Midões, é o poeta Teixeira de Pascoaes. Agustina Bessa-Luís descreve-o como uma figura excepcional, acima de todos os contemporâneos, e não esconde o fascínio que Pascoaes lhe inspira. (...) Se todos os livros têm o seu destino, o deste romance é duplo. A sua recepção por leitores e pares, e as consequências dessa acidentada recepção, tiveram efeitos consideráveis na carreira da autora, que merecem ser descritos. [...]» Do Prefácio de António Feijó Fonte:"https://www.fnac.pt/"

.pesquisar

 

.links

.Rádio miúdos

https://www.radiomiudos.pt/

.Música

.posts recentes

. Semana da Leitura 2019

. Evolucionismo | casa das ...

. MILD - Manual de Instruçõ...

. Licenças creative commons...

. Seguranet: alguns recurso...

. Internet Segura

. Dia da Internet +Segura 2...

.subscrever feeds

.Visitantes

.Professor bibliotecário: ode

.Fevereiro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
26
27
28

.tags

. todas as tags