Terça-feira, 20 de Março de 2018

Diz-me onde lês...

por José Becerra Vitorino

(Equipa da BE Lídia Jorge)

 

Amani_Library_04.jpg

 

Depois da fantástica biblioteca com que começámos a nossa viagem, na China, a 25 de Janeiro, o blogue da BECRE da Escola Secundária Sta Maria do Olival, continua à descoberta de outros lugares que foram feitos para acolher o tão natural prazer de ler um livro.

E, da grande Aldeia para a pequena aldeia, vamos hoje a um lugar na Tanzânia.

Longe dos grandes efeitos cénicos que vimos antes, e talvez para que o deslumbramento não nos turve a visão do mundo real, a pequena biblioteca Amani, é, mais do que muitas outras, uma afirmação de consciência e de liberdade vinda de um mundo que esquecemos vezes demais.

O estúdio SoPA - Social Practice Architecture, das arquitetas Patricia Báscones e Lara Briz, exerce a prática da arquitetura como instrumento para melhorar as condições de vida dos povos mais carentes. E conseguem torná-lo possível combinando uma desenho assente no conhecimento da arquitetura, como reflexão global, com as técnicas vernaculares e os materiais locais.

Esta obra recuperou a técnica da construção em terra, que a população vinha rejeitando por associá-la a uma forma de pobreza, e tira partido das qualidades da terra e da madeira como material moderno e sustentável.

A biblioteca Amani, surge associada à escola local, fornecendo espaços que convidam a outras formas de aprender, diferentes da aula tradicional. Ao mesmo tempo, faz a transição para espaços mais abertos, dedicados à leitura como recreio. Foi construída em 2016, com terra, madeira e bambu, tudo disponível localmente. A obra foi construida pela população que empregou as técnicas ancestrais de manufatura e artesanato.

(fonte de informação - SoPA e Archdaily)

Amani_Library_01.jpg

Amani_Library_03.jpg

Amani_Library_06.jpg

Amani_Library_12.jpg

Amani_Library_18.jpg

 

publicado por essmo-becre às 16:15
link do post | comentar | favorito

.Citação do dia

.Catálogo On-Line

Bibliotecas do Agrupamento

.Tutorial - consulta do catálogo

Como consultar o catálogo

.Sugestões

No 70º aniversário da Declaração Universal dos Direitos Humanos (1948-2018), Portugal deve adotar uma Agenda Nacional de Direitos Humanos para o novo século. «Os primeiros anos do século XXI mostram que os direitos humanos não são nada de garantido e definitivo. Por todo o lado assistimos a retrocessos. Vemo-lo, por exemplo, nos Estados Unidos e em França, onde muitos dos grandes e inegáveis progressos das últimas décadas estão agora em risco. Em numerosos países, os direitos humanos são há muito comprimidos ou sacrificados em nome de outros valores tomados por superiores; noutros casos, são abusivamente instrumentalizados por agentes não estatais, como as grandes empresas digitais. Com base na minha formação académica e na minha experiência profissional, quer como jornalista quer como diretora executiva da Amnistia Internacional em Portugal de 2012 a 2016, acompanhei de perto alguns destes temas e tive oportunidade de intervir em alguns casos que aqui relato. Neste livro, proponho uma reflexão séria e atual sobre algumas destas questões.» Fonte:"https://www.fnac.pt/"

.pesquisar

 

.links

.Rádio miúdos

https://www.radiomiudos.pt/

.Música

.posts recentes

. Gostava de ler um livro e...

. Quer viver mais anos? Lei...

. Acordo Fotográfico

. Declaração Universal dos ...

. 70 anos da Declaração Uni...

. 70 anos da Declaração Uni...

. O bem que faz ler um livr...

.subscrever feeds

.Visitantes

.Professor bibliotecário: ode

.Dezembro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.tags

. todas as tags