Sábado, 27 de Janeiro de 2018

Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto

Assinalam-se hoje 73 anos da libertação do campo de concentração de Auschwitz, local onde morreram mais de 1,3 milhões de pessoas.

Neste dia em que se recordam as vítimas do Holocausto, muitos são os meios de comunicação social (e não só!) que relatam episódios do extermínio nazi. 

Qual a intenção? É preciso não esquecer!

As Nações Unidas escolheram este dia por se tratar do aniversário da libertação do Campo de Concentração de Auschwitz-Birkenau pelas tropas soviéticas em 1945. 

É um dia em que as Nações Unidas lembram os seis milhões de homens, mulheres e crianças judeus que morreram vítimas do regime nazi. António Guterres lembra que o antissemitismo persiste e que existe um aumento de outras formas de preconceito: "Quando os valores da humanidade são abandonados, onde quer que sejam, todos nós ficamos sob risco." -

Veja a mensagem do Secretário-geral na íntegra aqui 👇

 

 

Fonte: Centro Regional de Informação das Nações Unidas

 

Mas nem só as Nações Unidas lembram este dia. Muitas são as estruturas, organizações e instituições que também o fazem, bem como Governos de muitos países.

 

publicado por essmo-becre às 08:38
link do post | comentar | favorito

.Citação do dia

.Catálogo On-Line

Bibliotecas do Agrupamento

.Tutorial - consulta do catálogo

Como consultar o catálogo

.Sugestões

No 70º aniversário da Declaração Universal dos Direitos Humanos (1948-2018), Portugal deve adotar uma Agenda Nacional de Direitos Humanos para o novo século. «Os primeiros anos do século XXI mostram que os direitos humanos não são nada de garantido e definitivo. Por todo o lado assistimos a retrocessos. Vemo-lo, por exemplo, nos Estados Unidos e em França, onde muitos dos grandes e inegáveis progressos das últimas décadas estão agora em risco. Em numerosos países, os direitos humanos são há muito comprimidos ou sacrificados em nome de outros valores tomados por superiores; noutros casos, são abusivamente instrumentalizados por agentes não estatais, como as grandes empresas digitais. Com base na minha formação académica e na minha experiência profissional, quer como jornalista quer como diretora executiva da Amnistia Internacional em Portugal de 2012 a 2016, acompanhei de perto alguns destes temas e tive oportunidade de intervir em alguns casos que aqui relato. Neste livro, proponho uma reflexão séria e atual sobre algumas destas questões.» Fonte:"https://www.fnac.pt/"

.pesquisar

 

.links

.Rádio miúdos

https://www.radiomiudos.pt/

.Música

.posts recentes

. Gostava de ler um livro e...

. Quer viver mais anos? Lei...

. Acordo Fotográfico

. Declaração Universal dos ...

. 70 anos da Declaração Uni...

. 70 anos da Declaração Uni...

. O bem que faz ler um livr...

.subscrever feeds

.Visitantes

.Professor bibliotecário: ode

.Dezembro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.tags

. todas as tags