Segunda-feira, 7 de Maio de 2018

Bibliotecando, no fim de semana, encontrei o "Embalando a minha biblioteca" de Manguel

EMBALANDO A MINHA BIBLIOTECA

Uma elegia e dez divagações

Alberto Manguel

 

e6b2320aabda5a9bfbbb14f8f5c04a8c-bigbook.jpg

 O COMOVENTE OBITUÁRIO DE UMA BIBLIOTECA

Prémio Formentor 2017

A melancólica operação de encaixotar os seus 35 mil livros, que habitavam num antigo presbitério em França, inspira uma das obras mais pessoais de Alberto Manguel.

Em 1931, Walter Benjamin escreveu um ensaio sobre a experiência de desencaixotar a sua biblioteca. Décadas mais tarde, Alberto Manguel glosa a operação inversa. No início do século, aquele que é um dos maiores bibliófilos do mundo instalou a sua imensa biblioteca num antigo presbitério do Vale do Loire, e sentiu que encontrara uma casa para si e para os seus livros. Mas essa morada acabou por não ser permanente, e os milhares de livros de Manguel estão hoje guardados em caixotes, no Canadá.


A partir daqui, está dado o mote para Manguel olhar retrospectivamente para a sua vida dedicada aos livros, e reflectir sobre a natureza da relação entre leitores e os seus livros, e sobre a leitura enquanto memória. Estas divagações vão desde apontamentos sobre as peculiaridades dos amantes de livros até reflexões sobre acontecimentos históricos catastróficos, do incêndio na Biblioteca de Alexandria à pilhagem de bibliotecas pelo Estado Islâmico.
Embalando a Minha Biblioteca constitui, assim, um manifesto sobre o lugar primordial que deve ser ocupado pelos livros, e também sobre a importância das bibliotecas nas sociedades civilizadas e democráticas. 

 

Fonte:http://www.tintadachina.pt/book.php?code=e6b2320aabda5a9bfbbb14f8f5c04a8c 

publicado por essmo-becre às 16:59
link do post | comentar | favorito

.Citação do dia

.Catálogo On-Line

Bibliotecas do Agrupamento

.Tutorial - consulta do catálogo

Como consultar o catálogo

.Sugestões

No 70º aniversário da Declaração Universal dos Direitos Humanos (1948-2018), Portugal deve adotar uma Agenda Nacional de Direitos Humanos para o novo século. «Os primeiros anos do século XXI mostram que os direitos humanos não são nada de garantido e definitivo. Por todo o lado assistimos a retrocessos. Vemo-lo, por exemplo, nos Estados Unidos e em França, onde muitos dos grandes e inegáveis progressos das últimas décadas estão agora em risco. Em numerosos países, os direitos humanos são há muito comprimidos ou sacrificados em nome de outros valores tomados por superiores; noutros casos, são abusivamente instrumentalizados por agentes não estatais, como as grandes empresas digitais. Com base na minha formação académica e na minha experiência profissional, quer como jornalista quer como diretora executiva da Amnistia Internacional em Portugal de 2012 a 2016, acompanhei de perto alguns destes temas e tive oportunidade de intervir em alguns casos que aqui relato. Neste livro, proponho uma reflexão séria e atual sobre algumas destas questões.» Fonte:"https://www.fnac.pt/"

.pesquisar

 

.links

.Rádio miúdos

https://www.radiomiudos.pt/

.Música

.posts recentes

. Gostava de ler um livro e...

. Quer viver mais anos? Lei...

. Acordo Fotográfico

. Declaração Universal dos ...

. 70 anos da Declaração Uni...

. 70 anos da Declaração Uni...

. O bem que faz ler um livr...

.subscrever feeds

.Visitantes

.Professor bibliotecário: ode

.Dezembro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.tags

. todas as tags