Segunda-feira, 7 de Maio de 2018

Bibliotecando, no fim de semana, encontrei o "Embalando a minha biblioteca" de Manguel

EMBALANDO A MINHA BIBLIOTECA

Uma elegia e dez divagações

Alberto Manguel

 

e6b2320aabda5a9bfbbb14f8f5c04a8c-bigbook.jpg

 O COMOVENTE OBITUÁRIO DE UMA BIBLIOTECA

Prémio Formentor 2017

A melancólica operação de encaixotar os seus 35 mil livros, que habitavam num antigo presbitério em França, inspira uma das obras mais pessoais de Alberto Manguel.

Em 1931, Walter Benjamin escreveu um ensaio sobre a experiência de desencaixotar a sua biblioteca. Décadas mais tarde, Alberto Manguel glosa a operação inversa. No início do século, aquele que é um dos maiores bibliófilos do mundo instalou a sua imensa biblioteca num antigo presbitério do Vale do Loire, e sentiu que encontrara uma casa para si e para os seus livros. Mas essa morada acabou por não ser permanente, e os milhares de livros de Manguel estão hoje guardados em caixotes, no Canadá.


A partir daqui, está dado o mote para Manguel olhar retrospectivamente para a sua vida dedicada aos livros, e reflectir sobre a natureza da relação entre leitores e os seus livros, e sobre a leitura enquanto memória. Estas divagações vão desde apontamentos sobre as peculiaridades dos amantes de livros até reflexões sobre acontecimentos históricos catastróficos, do incêndio na Biblioteca de Alexandria à pilhagem de bibliotecas pelo Estado Islâmico.
Embalando a Minha Biblioteca constitui, assim, um manifesto sobre o lugar primordial que deve ser ocupado pelos livros, e também sobre a importância das bibliotecas nas sociedades civilizadas e democráticas. 

 

Fonte:http://www.tintadachina.pt/book.php?code=e6b2320aabda5a9bfbbb14f8f5c04a8c 

publicado por essmo-becre às 16:59
link do post | comentar | favorito

.Citação do dia

.Catálogo On-Line

Bibliotecas do Agrupamento

.Sugestões

Quando referimos o património cultural, há a tentação de pensar que falamos de antigualhas, de coisas do passado, irremediavelmente perdidas. Puro engano! Referimo-nos à memória viva, seja referida a monumentos, sítios, tradições, seja constituída por acervos de museus, bibliotecas e arquivos. Tratamos de conhecimentos ou de expressões da criatividade humana... Ter memória é, assim, respeitarmo-nos. Cuidar do que recebemos é dar atenção, é não deixar ao abandono. Daí a presente obra procure aliar a ideia de peregrinação, no sentido da demanda de outros lugares e de outras gentes, através da sua história, como se já fizera em "Na Senda de Fernão Mendes", à memória da cultura e da língua portuguesa, como língua de várias culturas e cultura de várias línguas. Neste Ano Europeu do Património Cultural trata-se de um apelo a que a cultura seja compromisso, cuidado, atenção e conhecimento. Fonte:"https://www.fnac.pt/"

.pesquisar

 

.Maio 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.Rádio miúdos

https://www.radiomiudos.pt/

.links

.Música

.posts recentes

. Reforma de 2018 das regra...

. Prémio Escolar AEPC 2018

. Dia da Europa 2018

. Acordo ortográfico 1990

. Bibliotecando, no fim de ...

. Concurso Nacional de Leit...

. VOTEM E PARILHEM: Autores...

.subscrever feeds

.Visitantes

.Professor bibliotecário: ode

.tags

. todas as tags