Segunda-feira, 23 de Setembro de 2013

Morreu o poeta António Ramos Rosa

 



O poeta António Ramos Rosa, considerado uma das maiores figuras da poesia portuguesa do século XX, morreu hoje, 23 de setembro de 2013, aos 88 anos, no Hospital Egas Moniz, em Lisboa, em consequência de uma pneumonia.

 

 Poeta, ensaísta e tradutor, Ramos Rosa nasceu em Faro, a 17 de outubro 1924. Em 1958, iniciou a sua obra poética com a publicação de O Grito Claro. Nas décadas de1950 e 1960, fundou a revista Árvore e codirigiu as revistas Cassiopeia e Cadernos do Meio-dia, tendo sido colaborador em diversas publicações portuguesas (A Capital, Artes & Letras, Diário de Lisboa, Diário de Notícias, Diário Popular, entre outras), bem como em publicações francesas, espanholas e brasileiras.

 

Ao longo de uma vida dedicada à escrita e também ao desenho, António Ramos Rosa organizou e prefaciou várias antologias, traduziu poemas de Paul Éluard e publicou diversos artigos e ensaios. Distinguido com o Prémio Pessoa em 1988, o poeta e ensaísta deixa uma vasta obra com cerca de uma centena de títulos, traduzida em várias línguas.

 

 

Disponível em URL: http://www.instituto-camoes.pt/noticias/lingua-e-cultura/morreu-o-poeta-portugues-antonio-ramos-rosa. Acedido em: 23.09.2013

 

 

Cada árvore é um ser para ser em nós

 

 

  

Cada árvore é um ser para ser em nós

Para ver uma árvore não basta vê-a

a árvore é uma lenta reverência

uma presença reminiscente

uma habitação perdida

e encontrada

À sombra de uma árvore

o tempo já não é o tempo

mas a magia de um instante que começa sem fim

a árvore apazigua-nos com a sua atmosfera de folhas

e de sombras interiores

nós habitamos a árvore com a nossa respiração

com a da árvore

com a árvore nós partilhamos o mundo com os deuses

 

 

 

 

publicado por essmo-becre às 22:00
link do post | comentar | favorito

.Citação do dia

.Catálogo On-Line

Bibliotecas do Agrupamento

.Tutorial - consulta do catálogo

>

.Sugestões

Toda a poesia de Sophia de Mello Breyner Andresen, em nova edição, com inéditos da autora. A presente edição reúne toda a obra poética de Sophia de Mello Breyner Andresen, seguindo e atualizando os critérios de fixação de texto adotados nas edições anteriores, graças ao notável trabalho de Maria Andresen de Sousa Tavares e Carlos Mendes de Sousa, que assinam, respetivamente, o prefácio a esta edição, e a Nota de Edição. O presente volume inclui alguns poemas inéditos que integram o espólio da autora, em depósito na Biblioteca Nacional. [...] Fonte:"https://www.fnac.pt/"

.pesquisar

 

.links

.Rádio miúdos

https://www.radiomiudos.pt/

.Música

.posts recentes

. A Água, a poesia e a flor...

. Dia Mundial da Poesia em ...

. DIA MUNDIAL DA POESIA 201...

. "Navegações" de Sophia d...

. Dia mundial da poesia | ...

. CNC assinala ao longo do ...

. Ativismo - Amnistia Inter...

.subscrever feeds

.Visitantes

.Professor bibliotecário: ode

.Março 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.tags

. todas as tags