Terça-feira, 10 de Maio de 2011

Visita da Lídia Jorge

No dia 6 de Maio, pelas 15h30m, a escritora Lídia Jorge foi recebida pela directora da Escola, Dr.ª Maria Celeste Sousa, e encaminhada para a Biblioteca onde viria a ser homenageada. Aqui, esperavam-na alunos e professores que presenciaram a entrega do álbum fotográfico que testemunha a sua última passagem pela escola.

 

 

 

 

Na Biblioteca Escolar, baptizada com o seu nome desde 2003, Lídia Jorge proporcionou-nos um momento único de pura “poesia” literária. Interpelada pelos alunos, a escritora respondeu de forma realista e reflectida às questões relacionadas com os seus livros, as “cidades” que habitam em si e o seu passado como professora, inclusivamente nesta escola.

Desfilaram perante os nossos olhos, memórias e reflexões intercaladas por sábios conselhos do Director do Jornal de Letras, o jornalista José Carlos de Vasconcelos, que acompanhou a escritora nesta visita e que constituiu uma mais valia na conversa mantida.

Quando a atmosfera musical, de alunos e professores, nos envolveu, arrancou sentidos aplausos a todo o público.

Já na sala Polivalente, a apresentação do espectáculo “Aqui há Gato”, encenado pelas professoras Ana de Carvalho e Joana Jacob, com intervenção de alunos do 7º ano B e do Curso Profissional de Animação Sociocultural, foi igualmente muito aplaudida. A finalizar, mais uma agradável surpresa, as cantigas da Tuna Sabes Cantar.

E foi com um pequeno lanche que se deu por terminada, na ESSMO, a tarde inesquecível de literatura e música que, resumidamente, acabámos de descrever.

 

 

P'la equipa da BE

Ana Paula V. Santos

 

 

 

 

publicado por essmo-becre às 23:42
link do post | comentar | favorito

.Citação do dia

.Catálogo On-Line

Bibliotecas do Agrupamento

.Tutorial - consulta do catálogo

Como consultar o catálogo

.Sugestões

No 70º aniversário da Declaração Universal dos Direitos Humanos (1948-2018), Portugal deve adotar uma Agenda Nacional de Direitos Humanos para o novo século. «Os primeiros anos do século XXI mostram que os direitos humanos não são nada de garantido e definitivo. Por todo o lado assistimos a retrocessos. Vemo-lo, por exemplo, nos Estados Unidos e em França, onde muitos dos grandes e inegáveis progressos das últimas décadas estão agora em risco. Em numerosos países, os direitos humanos são há muito comprimidos ou sacrificados em nome de outros valores tomados por superiores; noutros casos, são abusivamente instrumentalizados por agentes não estatais, como as grandes empresas digitais. Com base na minha formação académica e na minha experiência profissional, quer como jornalista quer como diretora executiva da Amnistia Internacional em Portugal de 2012 a 2016, acompanhei de perto alguns destes temas e tive oportunidade de intervir em alguns casos que aqui relato. Neste livro, proponho uma reflexão séria e atual sobre algumas destas questões.» Fonte:"https://www.fnac.pt/"

.pesquisar

 

.links

.Rádio miúdos

https://www.radiomiudos.pt/

.Música

.posts recentes

. Gostava de ler um livro e...

. Quer viver mais anos? Lei...

. Acordo Fotográfico

. Declaração Universal dos ...

. 70 anos da Declaração Uni...

. 70 anos da Declaração Uni...

. O bem que faz ler um livr...

.subscrever feeds

.Visitantes

.Professor bibliotecário: ode

.Dezembro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.tags

. todas as tags