Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Biblioteca Escolar / Centro de Recursos da ESSMO

O importante não é onde chegas, mas o caminho que percorres.

Biblioteca Escolar / Centro de Recursos da ESSMO

O importante não é onde chegas, mas o caminho que percorres.

Jean-Paul Sartre (1905-1980)

Jean Paul Sartre-GetResource.jpg

Jean-Paul Sartre nasceu em Paris a 21 de junho de 1905. Em 1924 ingressou na École Normale Supérieure, onde despertou o seu interesse pela filosofia e conheceu aquela que viria a tornar-se a sua companheira de vida, Simone de Beauvoir. Em 1938 publicou o seu primeiro romance, A Náusea, texto centrado no tema do absurdo da existência que não só alcançou imediato êxito literário como desde logo anunciou Sartre como um dos expoentes do pensamento filosófico francês do século xx.
 

Jean-Paul Sartre foi um filósofo e escritor francês reconhecido unanimemente como um dos maiores vultos da corrente existencialista. A sua atividade literária de excelência abrangeu os mais diversos géneros – do teatro ao romance e ensaio – e foi reconhecida pela academia sueca, que o laureou com o Prémio Nobel da Literatura em 1964. Todavia, Sartre foi o primeiro autor a recusar este prémio, pois defendia que «um escritor que adota posições políticas, sociais ou literárias deve agir apenas com os meios que são seus – ou seja, a palavra escrita. Todas as honras que possa receber expõem os seus leitores a uma pressão que não considero desejável.»

Sartre foi presidente do tribunal criado por Bertrand Russell para julgar a conduta militar norte-americana na Indochina em 1967. Apoiou vivamente os ideais do Maio de 68 e em 1970 foi detido por vender propaganda maoista, na altura proibida em França. 

 

Fontes:

https://images.wook.pt/

https://www.almedina.net/autor/jean-paul-sartre-1564162228

https://www.bertrand.pt/autor/jean-paul-sartre/10982

 

Fernando Pessoa - Aniversário natalício

cfp_pessoa-casaFP.png

O Poeta dos Muitos Rostos

Fernando António Nogueira Pessoa nasceu a 13 de Junho de 1888, no Largo de São Carlos, em Lisboa.

Começou a escrever em criança e fê-lo sobretudo em português, mas também em inglês e francês. Viveu 47 anos e passou grande parte deste tempo a escrever. Considerava que ser poeta e escritor não constitui profissão, mas vocação.

Morreu a 30 de Novembro de 1935, em Lisboa, cidade referida em muitos dos seus poemas e cenário do famoso Livro do Desassossego. É nesta cidade que se encontram os seus papéis, depositados na Biblioteca Nacional de Portugal, e a sua biblioteca particular, depositada na Casa Fernando Pessoa e disponível para consulta online.

 

 

Sugestão de Leitura: LIVRO DO DESASSOSSEGO

Publicado pela primeira vez em 1982, quase meio século após a morte de Fernando Pessoa, o "Livro do Desassossego" é uma obra-prima pouco convencional, resistente às habituais classificações literárias. A palavra desassossego refere-se à angústia existencial do narrador, sim, mas também à sua recusa em ficar quieto, parado. Sem sair de Lisboa, este viaja constantemente na sua maneira de ver, sentir e dizer. Ler este livro, repleto de emoção e observações penetrantes, é uma experiência estranhamente libertadora.

A edição [que sugerimos]  procura, na medida possível, respeitar a visão que o próprio autor do Livro nutria para a sua publicação. Inclui todo o material explicitamente destinado à obra e alguns textos adicionais que com quase toda a certeza lhe pertencem e cujo estatuto conjetural é, de qualquer modo, assinalado. A transcrição dos originais, constantemente melhorada ao longo dos anos, é a mais apurada de todas as edições feitas até à data. A introdução do organizador traça a evolução do Livro que ocupou Pessoa durante mais de vinte anos, propondo-nos novas linhas de leitura.

 

 

 

Fontes:

https://www.casafernandopessoa.pt/pt/fernando-pessoa

https://www.fnac.pt/Livro-do-Desassossego-Fernando-Pessoa/a808222#omnsearchpos=2

Dia Mundial do Meio Ambiente

ipbes.png

#PelaNatureza  o tema do ano é a biodiversidade e explora as interdependências na teia da vida. Devido à COVID-19, as atividades serão, sobretudo, virtuais.

undp_pandas.jpg

Os alimentos que comemos, o ar que respiramos, a água que bebemos e o clima que torna nosso planeta habitável vêm da natureza. Somos mais dependentes do que imaginamos de sua rede interconectada e do seu delicado equilíbrio.

Contudo, esse é um momento singular em que a natureza está nos mandando uma mensagem. Ela está nos mostrando que a vida como a conhecemos está à beira de um colapso.

É hora de acordar. De tomar consciência. De repensar nossa relação com o meio ambiente.

É hora de soltar a voz e dizer ao mundo que precisamos agir. Esse Dia Mundial do Meio Ambiente é a hora da Natureza.

 

PORTUGUESE_Facebook-820x360-.png

 

 

Fontes:

https://nacoesunidas.org/pnuma-anuncia-colombia-como-sede-do-dia-mundial-do-meio-ambiente-2020-sobre-biodiversidade/amp/

https://www.un.org/en/observances/environment-day

https://www.unenvironment.org/

https://www.worldenvironmentday.global/pt-br

 

 

Dia Mundial da Bicicleta

bike-day-card.png

 

Organização das Nações Unidas (ONU) instituiu o dia 3 de junho como Dia Mundial da Bicicleta. A Federação Portuguesa de Ciclismo desenvolve várias acções de modo a que bicicleta esteja cada vez mais presente na vida quotidiana dos portugueses.
A criação do Dia Mundial da Bicicleta pela Assembleia Geral da ONU é o reconhecimento da bicicleta como meio de transporte acessível, fácil, sustentável, que promove a preservação ambiental e a saúde.
 
Seja por conveniência ou como passatempo, andar de bicicleta é uma prática que tem aumentado a nível mundial. Seguindo essas tendências há cada vez mais pessoas a pedalar no dia a dia, os governos e as autarquias estão cada vez mais sensíveis a esta questão, apostando em vias cicláveis e em sistemas de utilização pública partilhada de bicicletas​.​
 
O Dia Mundial da Bicicleta é uma jornada de celebração da bicicleta, do ciclismo e do futuro mais sustentável.​
 
Num país versátil em ciclovias e ecopistas, basta escolher entre cenários de rio, serra, encosta, praia ou cidade. O importante é pedalar neste Dia Mundial da Bicicleta [...], a 3 de junho, e nos restantes dias do ano.
 

3-de-junho-Dia-Mundial-da-Bicicleta-641x445.jpg

 

 
 
Fontes:
https://swikblog.com/dia-mundial-da-bicicleta-2020-fatos-e-historia/
https://www.plataformamedia.com/2020/05/dia-mundial-da-bicicleta-pedalar-no-campo-e-na-cidade-de-norte-a-sul/
https://www.un.org/en/observances/bicycle-day
http://www.turismodeportugal.pt/pt/Agenda/Paginas/dia-mundial-bicicleta.aspx
 
 
 

Dia da Criança 2020

Dia Criança.png

 

Neste Dia da Criança, a UNICEF Portugal vai [enfatizar]os Direitos da Criança e o trabalho da UNICEF no terreno , e também a voz de várias crianças, em todo o mundo para a agenda mediática.

[Vamos] falar sobre os desafios que as crianças enfrentam à volta do mundo, sobretudo agora no contexto da pandemia de COVID-19 e o impacto que esta teve no seu dia-a-dia. Elas vão contar-nos sobre os desafios que enfrentam e também como a UNICEF ajudou a fazer a diferença nas suas vidas. Estas partilhas representam em conjunto o espelho da infância em 2020 no mundo.

Para fazer chegar a [nossa] mensagem mais longe, a UNICEF juntou-se a vários meios de comunicação com uma presença relevante em Portugal e nos vários formatos (rádio, TV, online, jornais) que, ao longo do Dia da Criança, irão publicar várias peças com a [nossa] mensagem de sensibilização para os Direitos da Criança; mostrar como as crianças em vários pontos do mundo estão a viver este momento único para todos em tempos de COVID-19; e como a UNICEF alterou a sua forma de actuação para se adaptar às novas exigências, não deixando de responder às necessidades das crianças. [Pediu-se] a crianças em vários países e regiões para [nos] contarem como é a sua vida, quais são os desafios que enfrentam, que sonhos têm para o futuro e qual o papel da UNICEF nas suas vidas e elas não hesitaram em dar a conhecer aos portugueses como é a sua vida e como sonham que ela venha a ser.

2f10c9c6bbe1722303efd147fb2528a74c661f4e.jpg

 

No Dia da Criança, o Fundo das Nações Unidas para a Infância apela ainda a que a escola recupere os valores da vida e da ligação aos outros e à natureza como pilar fundamental para as crianças

 

No dia da criança, e no âmbito da situação de pandemia de Covid-19, a UNICEF apela ao Ministro da Educação que oiça crianças e jovens antes de tomar decisões e medidas que afectem o seu futuro.

 

 De acordo com a Convenção sobre os Direitos da Criança, as crianças têm o direito de participar nos processos de tomada de decisão que possam ser relevantes nas suas vidas e de influenciar as decisões tomadas a seu respeito - na família, na escola ou na comunidade. É isto que pede a UNICEF no dia da criança, desafiando o Ministro da Educação a ouvir crianças e jovens no que diz respeito a questões como:

 

  • Como foi o confinamento e a escola? O que gostaram e o que não gostaram?
  • O que as preocupa no “regresso às aulas”?
  • O que querem manter? O que querem mudar? Aprenderam o mesmo?
  • Sentem falta dos amigos? Sentem falta do recreio? E de brincar na rua?
  • Estão preocupados com o emprego dos pais? E com os seus avós?
  • Que medidas deve o Ministério da Educação tomar?

 

 

Segundo Beatriz Imperatori, Directora Executiva da UNICEF Portugal:

É preciso definir esta nova escola com a participação das crianças nos processos de decisão política. Esta participação enriquece a informação e alarga perspectivas, qualificando as políticas públicas. É preciso também que o acto de ouvir as crianças - nas famílias, nas escolas ou o próprio estado - seja consequente: assumindo compromissos.”

 

No dia da criança, que se celebra a 1 de junho, a UNICEF reforça ainda a importância de:

 

  1. Uma escola mais íntima
  2. Que recupere a ligação aos outros

Fontes: 

https://unicef.pt/actualidade/noticias/

https://www.unicef.pt/dia-da-crianca-2020/