Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Biblioteca Escolar / Centro de Recursos da ESSMO

O importante não é onde chegas, mas o caminho que percorres.

Biblioteca Escolar / Centro de Recursos da ESSMO

O importante não é onde chegas, mas o caminho que percorres.

Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto

 

Também o Governo português fez questão de não esquecer a data e evocou os homens e mulheres que impediram o extermínio de pessoas perseguidas pelo regime nazi e reiterou o "firme compromisso" de Portugal em "manter viva a memória do Holocausto".

 

O Governo evocou este sábado os homens e mulheres que impediram o extermínio de pessoas perseguidas pelo regime nazi e reiterou o “firme compromisso” de Portugal “manter viva a memória do Holocausto”, para que não volte a repetir-se.

No Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto, o governo português afirma, em comunicado, que se junta “a todos os que se recusam esquecer e que prestam homenagem às vítimas do extermínio e da desumanidade nazi”. São também evocados os “homens e Mulheres que, pela sua coragem e altruísmo, resgataram da morte milhares de judeus e outras vítimas do ódio nazi”.

O Governo aponta como exemplo os diplomatas portugueses Aristides de Sousa MendesAlberto Teixeira Branquinho e Carlos Sampaio Garrido, bem com o padre Joaquim Carreira.

Setenta e três anos após a libertação do campo de concentração de Auschwitz-Birkenau, o Governo defende que é preciso continuar a investir na educação, no respeito pelos direitos humanos para “manter viva a memória daqueles que padeceram durante o Holocausto e para garantir que nunca mais venha acontecer”.

É igualmente necessário continuar a investir “na defesa intransigente da dignidade de todas as pessoas e na luta contra o ódio, a intolerância, a xenofobia, o racismo, o antissemitismo e o preconceito”, defende, considerando que “este é um dever de todos”.

“Enquanto membro observador da Aliança Internacional para a Memória do Holocausto, Portugal reitera o firme compromisso de manter viva a memória do Holocausto contribuindo para que não se repita nunca mais”, sublinha no comunicado.

A Provedora de Justiça, Maria Lúcia Amaral, também assinalou a data, lembrando que esta visa “homenagear os milhões de pessoas mortas e o seu sofrimento e preservar a memória deste acontecimento na história mundial”.

Num comunicado publicado no site da instituição, a Provedora de Justiça recorda “as vítimas, a violação dos direitos mais básicos, o racismo, a perseguição, a aniquilação de comunidades nacionais, étnicas e religiosas e a desumanização do outro” durante o Holocausto.

Fonte: http://observador.pt/

Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto

Assinalam-se hoje 73 anos da libertação do campo de concentração de Auschwitz, local onde morreram mais de 1,3 milhões de pessoas.

Neste dia em que se recordam as vítimas do Holocausto, muitos são os meios de comunicação social (e não só!) que relatam episódios do extermínio nazi. 

Qual a intenção? É preciso não esquecer!

As Nações Unidas escolheram este dia por se tratar do aniversário da libertação do Campo de Concentração de Auschwitz-Birkenau pelas tropas soviéticas em 1945. 

É um dia em que as Nações Unidas lembram os seis milhões de homens, mulheres e crianças judeus que morreram vítimas do regime nazi. António Guterres lembra que o antissemitismo persiste e que existe um aumento de outras formas de preconceito: "Quando os valores da humanidade são abandonados, onde quer que sejam, todos nós ficamos sob risco." -

Veja a mensagem do Secretário-geral na íntegra aqui 👇

 

 

Fonte: Centro Regional de Informação das Nações Unidas

 

Mas nem só as Nações Unidas lembram este dia. Muitas são as estruturas, organizações e instituições que também o fazem, bem como Governos de muitos países.

 

...

Mensagem da Diretora Geral da UNESCO

Audrey Azoulay 

holocausto

 

“Não aconteceu nada depois de Auschwitz que tenha anulado Auschwitz, que tenha refutado Auschwitz. Nos meus escritos, o Holocausto nunca pode aparecer no passado.” Estas são as terríveis palavras do grande escritor húngaro e Prémio Nobel de literatura Imre Kertész. Mais de 70 ano após o horror nazi, a transmissão desta história continua a ser tão relevante como antes.

Por este motivo, na sequência do Conselho da Europa, as Nações Unidas instituíram o Dia Internacional dedicado à Memória das Vítimas do Holocausto, a 27 de janeiro, data em que, em 1945, os soldados soviéticos entraram no Campo de Auschwitz-Birkenau. Com esta decisão, as Nações Unidas afirmaram simultaneamente o caráter específico da Shoah, o genocídio do povo judeu, mas também o seu alcance universal. A transmissão desta história e a lembrança de todas as vítimas dos crimes nazis são um apelo para o fortalecimento do compromisso das nações em prol da paz.

Embora a Shoah inspire uma reflexão inesgotável sobre a espécie humana, que recorda a possibilidade do pior, esta implica também um exercício de memória que deve focar-se no futuro. Foi a mensagem que defendeu durante toda a sua vida Samuel Pisar, sobrevivente de Auschwitz e antigo Enviado Especial da UNESCO para o ensino da história do Holocausto e a prevenção do genocídio:

“Temos um dever visceral de partilhar com os nossos semelhantes a memória do que vivemos e aprendemos na carne e na alma. Devemos alertar os nossos filhos, Judeus e não-Judeus, para o fanatismo e a violência que se espalham no nosso mundo, novamente em chamas, que podem destruir o seu universo como anteriormente destruíram o meu”.

O Tema “A educação e a memória do Holocausto: a nossa responsabilidade partilhada” foi o escolhido para este Dia Internacional em 2018. Todos temos um papel a desempenhar – atores políticos, peritos, historiadores, artistas, comunidade educativa, cidadãos. Podemos armar as consciências contra o esquecimento, o negacionismo, a relativização dos crimes e o regresso dos estereótipos que alimentam o ódio. À manipulação dos factos, podemos opor um discurso de veracidade. A luta contra o antissemitismo, sob todas as suas formas, está no cerne deste combate. Este é o espírito do programa mundial da UNESCO para o ensino do Holocausto e dos genocídios,

e dos eventos organizados este ano na sede da UNESCO: exposições – A noite de cristal com o Memorial da Shoah, Memórias roubadas com o Serviço internacional de busca de Bad Arolsen-, uma projeção – As 4 irmãs de Claude Lanzmann -, e várias mesas redondas, para transmitir e extrair lições da história.

Audrey Azoulay

Fonte: UNESCO PORTUGAL

 

Diz-me onde lês...

por José Becerra Vitorino

(Equipa da BE Lídia Jorge)

 

BM na China6.jpg

O blog da BECRE da Escola Secundária Sta Maria do Olival, parte à descoberta de alguns dos lugares onde se poderá juntar a leitura à vivência de um espaço singular que enriqueça ainda mais o pacífico prazer de ler um livro. Vamos então descobrir algumas das mais interessantes bibliotecas da nossa grande Aldeia, e começamos na China. O atelier holandês MVRDV em colaboração com os arquitetos locais TUPDI, estão na génese da Biblioteca municipal de Tianjin Binhai, nos arredores de Pequim. Rompendo com o conceito tradicional de "espaço biblioteca" este grande átrio de leitura, com capacidade para 1,2 milhões de livros, organiza-se em duas grandes cascatas, que gravitam em torno de um luminoso auditório esférico. A estante ondulada é elemento gerador de todo o edifício. Sendo escada, estante e assento, prolonga-se pela cobertura, numa fluida topografia de luz.

 

BM na China.jpg BM na China2.jpg

 

BM na China3.jpg

BM na China4.jpg

BM na China5.jpg

 

BM na China7.jpg

 

Fonte

ArchDaily

 

 

 

Pág. 1/2