Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Biblioteca Escolar / Centro de Recursos da ESSMO

O importante não é onde chegas, mas o caminho que percorres.

Biblioteca Escolar / Centro de Recursos da ESSMO

O importante não é onde chegas, mas o caminho que percorres.

Dia Mundial da Poesia

 

Wordle: Dia Mundial Poesia

 

 

"Há razões para pensar que a língua é,
toda ela, obra de poesia."

José Saramago, Diário de Notícias (2009)



 

Mensagem da diretora-geral da UNESCO por ocasião do Dia Mundial da Poesia

Sra. Irina Bokova, por ocasião do Dia Mundial da Poesia

21 de março de 2013

 

 

Poesia é uma das mais puras expressões de liberdade linguística. É um componente da identidade dos povos e carrega a energia criativa da cultura, razão pela qual pode renovar-se continuamente.

Esse poder da poesia é transmitido de geração em geração, nos textos consagrados de grandes autores e nas obras de poetas anônimos.

 

Nós temos o dever de transmitir esse patrimônio – o legado de Homer, Li Bai, Tagore, Senghor e inúmeros outros –, já que ele carrega testemunho vivo da diversidade cultural da humanidade. A nós cabe estarmos dispostos a frutificá-lo, como uma fonte de riqueza e diálogo linguístico. 

Ao celebrar o Dia Mundial da Poesia, a UNESCO deseja também promover os valores que a poesia transmite, porque poesia é uma viagem – não em um mundo de sonhos, mas frequentemente próxima às emoções, às aspirações e às esperanças dos indivíduos. Poesia dá forma aos sonhos dos povos e expressa a espiritualidade deles nos mais fortes termos – ela também encoraja todos nós a mudar o mundo.

 

Poetas em todos os países herdam versos atemporais em defesa dos direitos humanos, da igualdade de gênero e do respeito pelas identidades culturais. Paul Eluard escreveu “liberdade... eu escrevo teu nome”. Até hoje, a poesia traz os ventos de liberdade e dignidade na luta contra a violência e a opressão. Por todas essas razões, a UNESCO apoia os poetas e todos os que publicam, traduzem, imprimem ou disseminam poesia. Ela assim o faz, a fim de proteger a diversidade das expressões culturais e de preservar recitais de poesias listados como patrimônio cultural imaterial da humanidade, como tantas as maneiras de embelezar o mundo e construir as defesas da paz nas mentes dos homens e das mulheres.

 

Texto escrito em português do Brasil
http://www.unesco.org/new/pt/brasilia/ 


Dia Internacional da Mulher

 

 



A Onu, este ano, escolheu o tema da violência contra as mulheres para assinalar a data. Um fenómeno que considera estar generalizado em todo o mundo. De acordo com a APAV só em 2012 registaram-se mais de 20 mil crimes deste tipo.

Assembleia da República assinala Dia Internacional da Mulher

(...) A mulher continua a ser a principal vítima de violência doméstica, a sofrer de disparidade salarial e a ter menos oportunidades no mercado de trabalho, dados confirmados por um estudo do Instituto Nacional de Estatística (INE), avançado hoje, e que a secretária de Estado da Igualdade comentou na TSF.


Passados 30 anos da ratificação por Portugal da Convenção sobre a Eliminação de todas as formas de Discriminação contra as Mulheres foram feitas várias conquistas, mas ainda há trabalho a fazer.


Em entrevista à jornalista Alexandra Nunes, a secretária de Estado, Teresa Morais, diz que a mulher ainda é alvo de vários tipos de discriminação e que isso é razão suficiente para continuar a assinalar a efeméride.

 

 

 

Até ao século XIX, o papel das mulheres circunscrevia-se praticamente ao lar, à reclusão monástica ou às festas mundanas, apesar da irrupção de figuras nas cortes francesas, nos seus salões eruditos, como a Madame Pompadour, por exemplo, ou, mais tarde, Emmanuelle Sand, ou ainda a Marquesa de Alorna, em Portugal. Kate Sheppard, na Nova Zelândia, a partir de 1893, foi a pioneira da luta pelo sufrágio feminino, seguida depois na Inglaterra por Millicent Fawcett e, mais tarde, por Emmeline Pankhurst, alimentando o chamado movimento das "sufragistas", que ganhou foros de internacionalidade e também de manifestação pública, por vezes, com alguma violência. A luta continuaria até massivamente se ter expandido o voto feminino em quase todo o mundo. O acesso ao ensino superior foi também outra batalha das mulheres no século XX, como o acesso a cargos públicos e principalmente de direção.

 

Ao longo do século XX e no início do XXI, foram-se tomando medidas diversas no que toca à proteção dos direitos das mulheres. Uma delas foi a Convenção sobre a Eliminação de todas as Formas de Descriminação contra as Mulheres, adotada pelas Nações Unidas em 1979, uma vez que se continuaram a verificar desigualdades após a institucionalização dos Direitos do Homem. Nesta Convenção, tomaram-se disposições relativas à eliminação da exploração das mulheres, à igualdade de participação nas vidas política e pública nacional e internacional, à igualdade perante as leis, na educação, no emprego e no trabalho, no acesso aos serviços de saúde, na segurança social e no financiamento, nas matérias civis e jurídicas, no direito dentro da família e nos direitos das mulheres que vivem em zonas rurais. Esta Convenção também criou o Comité para a Eliminação da Discriminação contra as Mulheres. A Conferência Mundial de Direitos Humanos (Viena, 25 de junho de 1993) preconizou também a igualdade de direito das mulheres nos âmbitos culturais, económicos, civis, políticos e sociais. No final do século XX, os continentes em que as mulheres eram mais desfavorecidas em relação aos homens eram o africano e o asiático.

 

Em Portugal, as mulheres deixaram, perante a lei, de dever obediência ao marido em 1910 e, em 1931, puderam votar, desde que tivessem um curso secundário ou superior. Só em 1968 obtiveram direitos políticos iguais aos dos homens, e, apenas no ano seguinte, salário equivalente ao masculino. Em 1990 passou a ser proibida a publicidade com discriminação sexual e, nove anos mais tarde, foi criado o Ministério da Igualdade.

 

Destacaram-se na defesa dos direitos das mulheres em Portugal Elina Guimarães e as escritoras Maria Velho da Costa, Maria Isabel Barreno e Maria Teresa Horta, conhecidas como "as três Marias", tendo escrito em conjunto "As Novas Cartas Portuguesas", em 1971, obra proibida pelo regime de então.

A escrita de Maria Teresa Horta visa a defesa dos direitos das mulheres através do seu erotismo, que lhes confere a liberdade de fruição que tradicionalmente era apanágio dos homens e, juntamente com a das demais escritoras mencionadas, questiona o lugar que as mulheres ocupavam na sociedade, reivindicando direitos e liberdades que socialmente lhes eram vedados.

 

Também em Portugal, no início do século XX, Adelaide Cabete surgiu como a pioneira do sufragismo; entre outras atividades, fomentou a criação das Ligas da Bondade, dirigiu a Cruzada Nacional das Mulheres Portuguesas e organizou, em 1924, o I Congresso Feminista e de Educação.


 

 

 

 

 

Reza a história que, neste dia, do ano de 1857, as operárias têxteis de uma fábrica de Nova Iorque entraram em greve, ocupando a fábrica, para reivindicarem a redução de um horário de mais de 16 horas por dia para 10 horas. 

Estas operárias que, nas suas 16 horas, recebiam menos de um terço do salário dos homens, foram fechadas na fábrica onde, entretanto, se declarara um incêndio, e cerca de 130 mulheres morreram queimadas.

Em 1910, numa conferência internacional realizada na Dinamarca, foi decidido, em homenagem àquelas mulheres, comemorar o 8 de Março como "Dia Internacional da Mulher".



Abertura do Ano da Matemática do Planeta Terra (MPT2013)

Matemática do Planeta Terra 2013           

                                          

 

O dia 5 de março marca a abertura oficial do Ano da Matemática do Planeta Terra (MPT2013), uma iniciativa internacional organizada sob a égide da UNESCO e dirigida, em Portugal, por um Comité Nacional que reúne o Ministério da Educação e Ciência e o Ministério dos Negócios Estrangeiros.

A comemoração do Ano MPT2013 visa o desenvolvimento de atividades científicas e de divulgação sobre as questões fundamentais que hoje se colocam ao planeta, mostrando o papel essencial da Matemática na identificação, discussão e resolução dessas questões.

Educadores e professores de todos os níveis de ensino são, neste sentido, desafiados a participar na comunicação aos mais jovens dos problemas relacionados com o planeta Terra e a importância da Matemática para os enfrentar.

Da programação do evento, fazem parte conferências, cursos, exposições, concursos, efemérides e o desenvolvimento de vários projetos. Os programas organizam-se em função de 4 grandes temas aglutinadores: um planeta para descobrir; um planeta suportado por vida; um planeta organizado por humanos; e um planeta em risco.

Para além dos Museus de Ciência, Universidades e Centros Ciência Viva, muitas mais organizações estarão envolvidas em ações relacionadas com o Ano MPT2013, como a Associação de Professores de Matemática, a Sociedade Portuguesa de Matemática, o Centro Internacional de Matemática, entre outras.

Para mais informações sobre atividades, materiais pedagógicos ou submissão de eventos, sugerimos a consulta do sítio Ano Internacional MPT2013.

Pág. 1/2