Sábado, 27 de Janeiro de 2018

Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto

 

Também o Governo português fez questão de não esquecer a data e evocou os homens e mulheres que impediram o extermínio de pessoas perseguidas pelo regime nazi e reiterou o "firme compromisso" de Portugal em "manter viva a memória do Holocausto".

 

O Governo evocou este sábado os homens e mulheres que impediram o extermínio de pessoas perseguidas pelo regime nazi e reiterou o “firme compromisso” de Portugal “manter viva a memória do Holocausto”, para que não volte a repetir-se.

No Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto, o governo português afirma, em comunicado, que se junta “a todos os que se recusam esquecer e que prestam homenagem às vítimas do extermínio e da desumanidade nazi”. São também evocados os “homens e Mulheres que, pela sua coragem e altruísmo, resgataram da morte milhares de judeus e outras vítimas do ódio nazi”.

O Governo aponta como exemplo os diplomatas portugueses Aristides de Sousa MendesAlberto Teixeira Branquinho e Carlos Sampaio Garrido, bem com o padre Joaquim Carreira.

Setenta e três anos após a libertação do campo de concentração de Auschwitz-Birkenau, o Governo defende que é preciso continuar a investir na educação, no respeito pelos direitos humanos para “manter viva a memória daqueles que padeceram durante o Holocausto e para garantir que nunca mais venha acontecer”.

É igualmente necessário continuar a investir “na defesa intransigente da dignidade de todas as pessoas e na luta contra o ódio, a intolerância, a xenofobia, o racismo, o antissemitismo e o preconceito”, defende, considerando que “este é um dever de todos”.

“Enquanto membro observador da Aliança Internacional para a Memória do Holocausto, Portugal reitera o firme compromisso de manter viva a memória do Holocausto contribuindo para que não se repita nunca mais”, sublinha no comunicado.

A Provedora de Justiça, Maria Lúcia Amaral, também assinalou a data, lembrando que esta visa “homenagear os milhões de pessoas mortas e o seu sofrimento e preservar a memória deste acontecimento na história mundial”.

Num comunicado publicado no site da instituição, a Provedora de Justiça recorda “as vítimas, a violação dos direitos mais básicos, o racismo, a perseguição, a aniquilação de comunidades nacionais, étnicas e religiosas e a desumanização do outro” durante o Holocausto.

Fonte: http://observador.pt/

publicado por essmo-becre às 15:24
link do post | comentar | favorito

.Citação do dia

.Catálogo On-Line

Bibliotecas do Agrupamento

.Tutorial - consulta do catálogo

Como consultar o catálogo

.Sugestões

"Frida" é um percurso pessoal e intimista pelos principais momentos da vida da aclamada artista mexicana, através dos textos poéticos e metafóricos de Sébastien Pérez, onde afloram reflexões e emoções da própria pintora recolhidas no seu diário e correspondência; e complementado com a abordagem moderna e transgressora de Benjamin Lacombe, que aí recria alguns dos seus quadros mais célebres, desde “Raízes” até ao “Veado ferido”, passando por “Autorretrato com macacos”. Com “Frida”, o leitor fica cativado pelo poderoso olhar da protagonista, que dessa forma o conduz ao longo deste magnífico volume visual, caracterizado pela sua elegância, pelo intenso colorido das suas ilustrações e pelo requinte da sua edição forrada a tecido, com páginas que se sobrepõem umas às outras e se complementam pelo recurso a cortantes." Fonte:"https://www.fnac.pt/"

.pesquisar

 

.links

.Rádio miúdos

https://www.radiomiudos.pt/

.Música

.posts recentes

. O que é a neurociência?

. Frida Kahlo

. Galileo Galilei

. Dia Mundial do Ambiente

. 5 de junho: dia do meio a...

. Assim afeta o sono o rend...

. Reforma de 2018 das regra...

.subscrever feeds

.Visitantes

.Professor bibliotecário: ode

.Julho 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.tags

. todas as tags