Sábado, 1 de Abril de 2017

VAMOS CRESCER COM O LIVRO!

VAMOS CRESCER COM O LIVRO!

 

 

Na minha primeira infância, gostava de construir casas com pequenas peças e toda a espécie de brinquedos. Usava muitas vezes um livro ilustrado a fazer de telhado. Nos meus sonhos, entrava na casa, deitava-me na cama feita com uma caixa de fósforos e olhava para cima, para as nuvens ou para as estrelas do céu.

A escolha dependia da ilustração que preferia na altura.

Por intuição, segui as regras de vida das crianças que procuram criar um ambiente seguro e confortável à sua volta. E o livro infantil ajudou-me muito a atingir este objetivo.

Depois cresci, aprendi a ler, e o livro, na minha imaginação, começou a assemelhar-se mais a uma borboleta, ou mesmo a um pássaro, do que ao telhado de uma casa. As páginas do livro pareciam asas que batiam. Era como se o livro, deitado no peitoril, quisesse sair pela janela aberta em direção ao desconhecido. Segurava-o com as mãos e começava a lê-lo, e o livro ia ficando cada vez mais calmo. Então eu próprio voava para outras terras e novos mundos, alargando o espaço da minha imaginação.

Que alegria ter na mão um novo livro! De início, nunca sabemos sobre o que é que ele fala. Resistimos à tentação de saltar para a última página. E como o livro cheira bem! É impossível distribuirmos o seu cheiro pelos vários elementos que o compõem: tinta, cola… não, é impossível. Existe um cheiro particular no livro, um cheiro único e excitante. As folhas encontram-se coladas, como se o livro não tivesse ainda acordado. E ele só acorda quando começamos a lê-lo.

Continuamos a crescer, e o mundo à nossa volta torna-se mais complicado.

Enfrentamos questões a que nem os adultos sabem responder. No entanto, é importante partilhar dúvidas e segredos com alguém. E aí o livro volta a ajudar-nos.

Muitos de nós terão um dia pensado: este livro fala sobre mim! E a personagem favorita parece ser igual a nós. Tem problemas semelhantes, e resolve-os com dignidade. E há outra personagem que não é igual a ti, mas tu gostarias de seguir o seu exemplo, de ser tão corajoso e desembaraçado quanto ela.

Quando há rapazes e raparigas que dizem “Não gosto de ler!”, isso faz-me rir.

Não acredito neles. Comem gelados, jogam jogos e veem filmes interessantes.

Dito de outro modo, gostam de se divertir! É que a leitura não serve apenas para desenvolver sentimentos e personalidades, ela é, acima de tudo, um prazer.

É sobretudo com essa missão que os autores de livros para a infância escrevem os seus livros.

 

Sergey Makhotin

(tradução de Mª Carlos Loureiro a partir da versão inglesa de Yana Shvedova)

http://www.dglb.pt/sites/DGLB/Portugues/noticiasEventos/Paginas/DIA-INTERNACIONAL-DO-LIVRO-INFANTIL-2017.aspx 

Makhotin-port.jpgza-melom (1).jpg

http://deti.libfl.ru/en/writer/makhotin 

 

publicado por essmo-becre às 13:19
link do post | comentar | favorito
|

.Citação do dia

.Catálogo On-Line

Bibliotecas do Agrupamento

.Sugestões

[...]E se, de repente, te visses a bordo de um navio de piratas?.[...] Fonte:"http://www.fnac.pt/"

.pesquisar

 

.Fevereiro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28

.links

.Música

.posts recentes

. Dia dos Namorados e/ou Di...

. «Os Piratas - Teatro», de...

. A Farsa de Inês Pereira

. Dia da Internet Mais Segu...

. Maratona de Cartas: receb...

. Dia da Internet mais segu...

. Dia Mundial da Luta Contr...

.subscrever feeds

.Visitantes

.Professor bibliotecário: ode

.tags

. todas as tags