Segunda-feira, 13 de Fevereiro de 2017

Dia Mundial do Rádio 2017

O Dia Mundial do Rádio é celebrado anualmente no dia 13 de fevereiro. O Dia foi proclamado pela Assembleia Geral da UNESCO em 2011. O tema para a edição do Dia Mundial do Rádio de 2017 é “O rádio é você!”, um chamado por maior participação das audiências e comunidades nas políticas e planejamento da radiodifusão. Mais do que simples interações ao vivo, a participação pública inclui mecanismos como políticas de engajamento da audiência, editores públicos, fóruns de ouvintes e procedimentos para a resolução de queixas. “Em uma época onde muitos estão apontando para uma ruptura na discussão civil produtiva, e quando a própria ideia de verdade está cada vez mais sendo questionada, o rádio está em uma posição privilegiada para unir as comunidades e promover um diálogo positivo pela mudança”, afirmou Tim Francis, especialista de programa da UNESCO para Desenvolvimento Midiático e Sociedade. “Ele tem o poder de nos tirar das nossas bolhas midiáticas de pessoas com a mesma opinião e nos faz lembrar da importância de ouvir uns aos outros novamente”. O site oficial do Dia Mundial do Rádio já está online e todas as organizações estão convidadas a se inscreverem para registrar seus eventos e transmissões especiais no mapa mundi do site, bem como acessar conteúdos e recursos exclusivos sobre como podem trazer ouvintes para o centro do rádio.

(Texto escrito em Português do Brasil)

Para ler a Mensagem da diretora-geral da UNESCO por ocasião do Dia Mundial do Rádio, clique sobre o link aqui apresentado.

 

Fonte: http://www.unesco.org/new/pt/brasilia/about-this-office/prizes-and-celebrations/world-radio-day/

 

Para saber um pouco mais sobre a história da rádio em Portugal, clique aqui e acederá à página do sítio Ensina.RTP.

 

 radio.png

 

Fontes: 

http://blogue.rbe.mec.pt/ 

http://ensina.rtp.pt/artigo/a-historia-da-radio/ 

publicado por essmo-becre às 12:26
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 26 de Abril de 2016

Curtas na biblioteca

Realiza um Filme promocional da nossa biblioteca escolar

 curtas na BE.PNG

Individualmente ou em pequenos grupos, os alunos estão convidados a pensar nas razões pelas quais “curtem” a sua biblioteca escolar e a planificarem um pequeno filme (com o máximo de 2 minutos) em que o demonstrem.

 

Para saberes mais, clica na imagem acima e fala com a professora bibliotecária.

 

De que é que estás à espera?

 

curtas na BE-2.PNG

 

publicado por essmo-becre às 18:34
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 25 de Dezembro de 2015

A Noite de Natal, Sophia de Mello Breyner Andresen

 

 

publicado por essmo-becre às 17:03
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 2 de Fevereiro de 2014

Entrevista com a DR.ª Teresa Calçada: o estado da RBE

publicado por essmo-becre às 19:14
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 19 de Janeiro de 2014

“As dificuldades justificam uma política pública de leitura, nas escolas e fora delas”

 

Entrevista a Teresa Calçada, coordenadora do gabinete da Rede de Bibliotecas Escolares.

“As dificuldades justificam uma política pública de leitura, nas escolas e fora delas”

 

 JOÃO CORDEIRO       

 

Teresa Calçada pediu a reforma no final de Dezembro.

 

À frente da Rede de Bibliotecas Escolares (RBE) desde 1996, Teresa Calçada despede-se com a certeza que o programa vai continuar, apesar das dificuldades.

 

Não é exagero dizer que Teresa Calçada é a mãe da Rede de Bibliotecas Escolares (RBE). Técnica do Instituto Português do Livro desde 1982, esteve na génese da criação da Rede de Bibliotecas Municipais e, anos mais tarde, fez parte do grupo que pensou as bibliotecas nas escolas, acabando por assumir a sua direcção. No final de 2013, depois de 17 anos à frente da RBE, pediu a reforma. "Não sei bem porquê", confessa. Contudo, tem a certeza que o trabalho começado não pode voltar atrás. Para já, vai fazer voluntariado com a sua amiga Isabel Alçada, autora e ex-ministra da Educação, na associação Voluntários de Leitura. Vão às escolas ler com os mais pequenos.

 

O Ministério da Educação e Ciência já fez saber que "está a analisar a substituição de Teresa Calçada que deixa o cargo por aposentação".

 

 [...]

A RBE tem vindo a sofrer cortes no seu orçamento. Houve anos em que o investimento ultrapassou os quatro milhões de euros, mas em 2013 tinha apenas 625 mil euros. Como é este ano?

O orçamento deste ano é equivalente ao do ano passado, que caiu. Caiu porque o sistema não precisa do que já precisou, houve picos e velocidade cruzeiro. Por outro lado, caiu porque houve quebra na despesa do Orçamento do Estado com a situação financeira que se vive na Europa e em Portugal, em particular.

 

 [...]

Essas competências têm vindo a mudar? Até que ponto a biblioteca escolar deixa de fazer sentido com as novas tecnologias, onde tudo se pode ler e procurar num tablet?

Hoje há multiliteracias que são mais completas. O que as bibliotecas têm é a obrigação de ajudar à capacitação leitora. Não há resultados a Matemática ou a qualquer outra disciplina curricular que não passe pelas competências leitoras.

 

As bibliotecas têm o papel de valorizar a curiosidade e a informação mas também treinam as competências para a leitura e para o uso das ferramentas todas. Aos professores, cabe-nos ajudar à leitura e à descodificação deste complexo mundo multimodal.

 

Qual é o maior desafio dos professores bibliotecários?

O grande desafio é desmistificar. Ajudar os alunos a perceber que, não é porque está na Internet que a informação é verdadeira. É preciso ajudá-los a distinguir o verdadeiro do falso, a saber manipular a informação, a ter um comportamento crítico.

 

Ninguém nasce leitor, aprendemos a ser no papel, agora temos de aprender naquilo que é a lógica dos gadgets e isso, é para nós, um dos objectivos das bibliotecas.

 

Um aluno que entra hoje na biblioteca não vai à procura de uma enciclopédia mas de um computador?

Naturalmente, como qualquer um de nós. É um instrumento que existe onde está tudo. Agora é preciso saber validar a informação que se recebe.

 

 [...]

A biblioteca escolar é um espaço onde os alunos vão nas horas vagas ou há um trabalho com o resto da escola?

Existe determinado tipo de matérias curriculares que podem ser feitas entre a sala de aula e a biblioteca. A escola é uma rede de informação. Quando nascemos era essencialmente para levar a literatura aos alunos. Hoje não temos medo que a biblioteca seja instrumental e construtora do sucesso académico dos alunos. E esta é uma mudança muito importante em todos, nomeadamente nos professores.

 

Mas a biblioteca também é o local para onde os professores mandam os alunos mais indisciplinados, quando se portam mal na sala de aula.

É para os que se portam mal e que vão ajudar a professora bibliotecária. Mas é também um lugar de acolhimento para os que têm de estar mais horas na escola, para os que gostam de estudar, para os que não gostam e vão à procura de ajuda. A biblioteca é uma forma de inclusão social.

 

Com a sua saída, a RBE corre o risco de acabar?

Não acredito que alguém faça essa maldade ao país!

 

Mas com uma aposta maior na autonomia das escolas, as bibliotecas não passarão a ser da responsabilidade daquelas e já não precisarão de pertencer a uma rede?

O sucesso da RBE não se deve apenas ao interesse dos ministros, mas também às direcções das escolas, se estas não acarinharem as bibliotecas, aquelas morrem. A biblioteca é da escola e tem de ser vivida à medida das necessidades de cada comunidade escolar. Portanto, já há autonomia. Mas também há um pacote de orientações que, para já, ainda precisa de ser central.

 

Ler mais no Público, 19 jan. >>

 

 

 

 

 

 

Fonte: http://www.publico.pt/sociedade/noticia/as-dificuldades-justificam-uma-politica-publica-de-leitura-nas-escolas-e-fora-delas-1620174

 

 

 

publicado por essmo-becre às 21:55
link do post | comentar | favorito
|

.Citação do dia

.Catálogo On-Line

Bibliotecas do Agrupamento

.Sugestões

"O enredo tece-se em torno da trajectória de um médico psiquiatra, desde o início da manhã, quando inicia o seu trabalho no Hospital Miguel Bombarda, até às 5 da madrugada do dia seguinte, no seu apartamento do Monte Estoril. Entre o início e o fim do eixo narrativo, sucedem-se episódios que constituem o quotidiano do médico no decorrer desse dia. O primeiro livro de um autor que ao longo dos anos se impôs como um nome cimeiro na literatura portuguesa."

Fontes:http://www.fnac.pt/

.pesquisar

 

.Outubro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
31

.links

.Música

.posts recentes

. Dia Mundial do Rádio 2017

. Curtas na biblioteca

. A Noite de Natal, Sophia ...

. Entrevista com a DR.ª Ter...

. “As dificuldades justific...

. RBE: Ler em qualquer luga...

. Mês internacional das bib...

.subscrever feeds

.Visitantes

.Professor bibliotecário: ode

.tags

. todas as tags