Domingo, 1 de Dezembro de 2013

Restauração da Independência: 1.º de Dezembro

O 1.º de Dezembro é (era) o feriado civil mais antigo: sobreviveu à I República austera em festividades, ao Estado Novo que só recuperou os "dias santos" em 1952 e à chegada da democracia, que nunca aboliu feriados mas acrescentou vários ao calendário.


Acabou, agora, como parte de um pacote de medidas que visa aumentar a produtivadade (?!). Na verdade, o governo português decidiu eliminar o feriado de 1 de dezembro, e a comemoração da Restauração da Independência já não será comemorada com um feriado este ano e, pelo menos, até 2017.


Partilho, inteiramente, da opinião do grupo de cidadãos que querem repor o feriado do 1º de dezembro, no fundo, os que pretendem restaurar a Restauração da Independência.

"Numa altura em que Portugal sofre fortes limitações ao exercício da sua soberania, em razão da situação financeira do País e de compromissos externos celebrados, importa repor o 1.º de Dezembro e celebrar os valores da independência nacional e do brio e da liberdade de Portugal como valores fundamentais do Estado, de toda a sociedade e da Nação", lê-se no documento. 


No documento apresentado por esse grupo de cidadãos, expõe-se que o feriado do 1.º de Dezembro foi "o mais antigo dos feriados civis de Portugal e é o mais alto dos feriados patrióticos, assinalando e fazendo celebrar o mais elevado dos valores de toda a comunidade nacional: a nossa própria independência nacional". 


Na iniciativa legislativa de cidadãos argumenta-se que, «salvo quando tendo caído sob dominação estrangeira, não se conhece um só caso de algum país que, tendo feriado ou feriados celebrando a sua independência nacional, o(s) tenha abolido, assim apagando do respetivo calendário oficial a celebração desse valor coletivo fundamental».


«O 1.º de Dezembro evoca a última vez em que, estando sob domínio estrangeiro e tendo perdido a independência nacional, Portugal a reconquistou pelas armas, pondo fim ao domínio dos Filipes (1580-1640) e restaurando assim a soberania nacional independente, então na pessoa do rei D. João IV», sustenta-se.

Assim, argumenta-se na iniciativa legislativa que o 1º de Dezembro é «o próprio Dia de Portugal por natureza das coisas», o dia que, no calendário oficial, celebra o facto sem o qual Portugal não existiria «como Estado, povo e nação independentes».


Adaptado de 

 

http://rr.sapo.pt/


http://www.tvi24.iol.pt



publicado por essmo-becre às 00:01
link do post | comentar | favorito
|

.Citação do dia

.Sugestões

MANUEL ALEGRE Trova do vento que passa Pergunto ao vento que passa notícias do meu país e o vento cala a desgraça o vento nada me diz. ... Mas há sempre uma candeia dentro da própria desgraça há sempre alguém que semeia canções no vento que passa. Mesmo na noite mais triste em tempo de servidão há sempre alguém que resiste há sempre alguém que diz não.

Fontes:http://www.fnac.pt/

.pesquisar

 

.Maio 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
18
19
20
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.Catálogo On-Line

Bibliotecas do Agrupamento

.links

.Música

.posts recentes

. Dia Internacional da Biod...

. Dia Mundial da Diversidad...

. Dia Mundial da Internet

. Dia da Europa 2017

. Como reforçar a proteção ...

. CNL - 2016/2017 - 2ª fase

. Miúdos a votos • Divulgaç...

.subscrever feeds

.Visitantes

.Professor bibliotecário: ode

.tags

. todas as tags